burda style 11/2014 - Atelier - Yelo: do lixo se faz luxo

Tudo começou em 2007, quando esta designer de Óbidos começou a desenhar e a criar malas e porta-moedas à base de embalagens velhas de plástico. O projeto chamava-se na altura Pbag. Com a motivação de dar uma nova vida e uma nova função a objetos em fim de vida, rapidamente Patrícia encontrou uma forma de usar aqueles desperdícios que existem em casa: as embalagem de detergentes, de champôs e produtos similares.
- A escolha do plástico foi óbvia para mim. É um material resistente, lavável, duradouro e extremamente poluente. Juntando tudo isto à reutilização, sem qualquer processo industrial, surgiram as primeiras peças.
Há cerca de um ano decidiu mudar o nome e a imagem, pois acredita que, com a evolução que o projeto tem sofrido, faz sentido uma nova identidade que permita abranger outros objetivos. Nas malas e porta-moedas que produz, a componente têxtil é também ela amiga do ambiente, “por serem restos de coleção ou patchwork de retalhos”, explica.
- Todos os objetos que criei até hoje são peças únicas. Posso fazer duas idênticas mas nunca iguais, já que a sua produção artesanal não o permite. Além de que aspeças dependem dos tecidos e embalagens disponíveis. Desta forma cada objeto é para mim sempre um desafio!
Educação ambiental
Mas Yelo é mais do que uma marca de malas e acessórios. Patrícia desenvolve ainda ações de educação ambiental dirigidas a crianças. O próprio nome do projeto foi inspirado no conceito do contentor amarelo para reciclar embalagens.
- Sempre dentro da sensibilização ambiental, Yelo pretende mudar mentalidades incentivar cada vez mais práticas amigas do ambiente com uma vertente mais educativa e em contacto direto com as escolas, desenvolver oficinas de ecodesign.
Esta vertente mais educativa está ainda em fase de desenvolvimento, mas a designer avança que a ideia é organizar demonstrações práticas em escolas, para “criar nas crianças e adolescentes uma vontade de reutilizar, de fazer objetos para uso próprio feito por eles, onde a mensagem ambiental seja a ideia mais importante a reter”.
Com diversos projetos para o futuro na manga, Patrícia está neste momento focada numa nova coleção para ser apresentada a curto prazo, e que até se pode fundir com a vertente de sensibilização escolar, reforça. Fala-nos, por exemplo, do formato de kit ‘faça você mesmo’, com produtos de conceção simples com dois ou três objetos diferentes.
- Tenho a intenção de tornar a Yelo num projeto de design social e continuar a desenvolver estes produtos em conjunto com centros de dia ou entidades prisionais.
Mais em www.facebook.com/yelo.handmade