burda style 05/2015 - Moda Designer - ODEEH

Otto Drögsler, Jörg Ehrlich, a vossa etiqueta, Odeeh, ainda segue uma tradição de atelier. O que representa essa tradição em termos do vosso trabalho?
- Para nós, “atelier” significa acima de tudo: experimentar, trabalhar um projeto, dar tempo às nossas ideias e interligar as técnicas de fabrico antigas com as novas realidades atuais. Não desenhamos alta-costura, mas também não produzimos moda por atacado. Desenvolvemos muito trabalho em manequins, preparamos a prova em pano cru e produzimos em pequenas manufaturas na Alemanha.
O que representa a Odeeh?
- Um misto de transformação, coragem e artesanato aliados ao know-how da produção industrial. No que diz respeito às coleções: ecletismo, dramatismo, estampados, estruturas, combinações engraçadas e invulgares que não se percebem à primeira vista.
Como desenvolvem as vossas coleções?
- Dependendo da Saison, a forma de abordagem é sempre diferente. Habitualmente, o Otto é “responsável pelo desenho criativo da silhueta”, a pessoa que começa a traçar o alinhamento do desenho. Jörg dedica-se principalmente à parte conceptual: o conceito de cor, a pesquisa de tecidos, mas a forma como a coleção é concebida baseia-se nas decisões de ambos.
Os tecidos são da maior importância para os vossos trabalhos, certo?
- Sim, em cada Saison procuramos tecidos e materiais que nos desafiem ou que para nós tenham algo de desconhecido. Os nossos favoritos são os jacquards concebidos especialmente para nós e a nossa popeline de algodão crisp - a contrapartida perfeita à imponência de muitos dos desenhos que desenvolvemos nos nossos teares, no Lago de Como.
O que é para vocês um tecido de sonho?
- Um tecido que seja muito versátil, que se adapte à época e que se possa combinar facilmente. Acima de tudo, deve proporcionar à mulher que o veste uma sensação de proteção agradável. Os tecidos que dominam demasiado as mulheres não são para nós.
Odeeh é sinónimo de “conforto” e “flair descontraído”. Como se consegue transmitir conforto em termos de moda?
- Não o levando muito a sério. Deve antes transmitir-se algo de positivo, pois queremos sempre sentir-nos determinados, alegres e descontraídos com a roupa que vestimos, e não sermos dominados por uma peça de vestuário, que até pode ser original, mas que nos limita. Aliás, um dos nossos princípios mais importantes é: confia em ti própri@! Sê corajos@! Combina as cores de novas formas e duvida sempre das chamadas “Receitas de moda”.
Será que ainda é possível criar um design inovador?
- Existem princípios-base que funcionam, o desafio é saber alterá-los minimamente e o Jörg tem muita experiência com moldes burda, pois a avó dele tinha a costura como hobby e paixão. Sem eles nada teria sido possível.